SINTONIA . CONHECIMENTO DIRETO . CELEBRAÇÃO fortalecimento interno . consciência . integração . agni@agni-ec.com.br


quarta-feira, 30 de novembro de 2016

PERFORMANCE, ESTÉTICA E ANÁLISE CRÍTICA Hanna Pires . 2016
                                                     antropologia inversa
                                                        culturas hibridas
                           criação de um tempo espaço de experimentação

bernar venet
                                               Considerada uma arte híbrida por ter uma natureza multidisciplinar, a performance utiliza diversas linguagens artísticas, como as artes visuais, o teatro, a música, a dança, o cinema, o vídeo, a cyber-art, para a produção de um experimento. Porém, mais do que isto, mais do que uma visão estética, a performance traz em si a condição da análise crítica, pois o performer é um cronista do seu tempo/espaço, que reflete e problematiza os fluxos, formações e composições contemporâneas. Richard Schechner, professor de Estudos da Performance na Tisch School of the Arts da New York University, afirma que qualquer coisa pode ser estudada como se fosse performance: uma ação, um comportamento, uma evento, uma coisa. Os estudos performáticos explicam algo, mostram fazendo. A performance é dinâmica. ‘Fazendo’, ‘mostrar fazendo’, são ações que estão em fluxo e sempre mudando. As performances _ de arte, rituais, ou da vida cotidiana_ são comportamentos restaurados, comportamentos duas vezes experienciados. Que ajudam a compreender os hibridismos da cultura, os encontros trans-fronteiriços, os sincretismos, encontrados hoje principalmente nas grandes metrópoles e nas cidades de uma forma geral, que comprometem a noção de comunidade unificada e favorecem a fragmentação.
                                               Segundo J.J.Lotufo, em A Arte da Performance entre Fronteiras, o ‘desmanchamento de certos mundos’ e o surgimento de outros, a presença de novos sentidos culturais, se faz em meio ao conflito incessante de regulação e de liberação existente na sociedade atual. O fluxo intenso de informações e impactos de toda ordem, o convívio na era digital pulveriza os locais de fala e escuta e torna complexas as formas de comunicação. O nomadismo característico do nosso tempo, a desterritorialização, o efêmero e o disperso como condição da subjetividade atual, demonstram quão impraticável é a esperança de manutenção de uma identidade cultural pura, estável e contínua. Noções de identidade, cultura, pertencimento, tornam-se bem mais complexas, demandando um processo de reinvenção contínua de sentido e valor. Na arte da performance estas contradições, ambiguidades e paradoxos podem ser e usualmente são utilizadas como rico material de trabalho, favorecendo as experimentações em torno das complexidades próprias do nosso tempo. Novos esboços, questionando as representações e os papéis sociais vigentes, são traçados na tentativa, sempre provisória, de abarcar esta complexidade do/no tempo. 
                                               Neste tempo onde não há delimitações estanques, pois em algum grau tudo se interconecta, a arte da performance favorece a alteridade e se mostra pertinente para problematizar representações culturais do ‘outro’. Quem representa quem? Quem é representado? Como e o que é representado?
                                               
ANTROPOLOGIA INVERSA
                                               Através da performance é possível se estabelecer uma espécie de ‘antropologia inversa’, invertendo-se papéis sociais, hierarquias. Grupos minoritários tornam-se protagonistas; novas formas de colaboração são apresentadas como uma opção politica. Trabalhos de desconfiguração da ordem dominante, inversões étnicas e de gênero, travestimento cultural, subversão de poderes são meios de levar ao centro as culturas híbridas e às margens, o exótico e estranho. Todo este jogo de inversão das estruturas sociais, se dá como parte importante do processo de descolonização. Ao descolonizar o próprio corpo _ entendido também como “território ocupado”_ em frente ao público, acredita-se poder despertar questionamentos que por vezes podem extrapolar o momento da performance, trazendo inspiração ao publico participante para agir no seu cotidiano.

HIBRIDISMO CULTURAL
                                               Presente fortemente na performance, o hibridismo cultural é o processo de mistura, de junção de diferentes matrizes culturais. A vertiginosa expansão urbana verificada nos nossos tempos, acaba por fazer com que as cidades concentrem praticamente 70% da população. De sociedades dispersas em milhares de comunidades rurais, tradicionais, locais e homogêneas, passamos a esta trama urbana onde se verifica uma interação do local com redes nacionais e transnacionais de comunicação.
                                               Canclini (2011) salienta que as culturas pós-modernas podem ser ditas de fronteiras. São resultantes do contato com o “outro” e decorrentes dos deslocamentos de bens simbólicos. O autor vê o hibridismo como um processo multicultural, de diálogo entre diversas culturas. A cultura é vista como algo não mais genuíno, mas sim, e muitas vezes, como algo representado. O que existe hoje, para o autor, é o simulacro como marca cultura.
                                               Hutcheon (1991, p. 30) chama atenção para o fato de que as culturas pós-modernas, essencialmente híbridas, possibilitariam a contestação do discurso dominante na construção de novos discursos, descentralizados, fundamentados no contexto multicultural. 
“A Cultura (com C maiúsculo, e no singular) se transformou em culturas (com c minúsculo, e no plural), como foi documentado com detalhe por nossos cientistas sociais. E isso parece estar ocorrendo apesar – e, eu afirmaria, talvez até por causa – do impulso homogeneizante da sociedade de consumo do capitalismo recentemais uma contradição pós-moderna.” (HUTCHEON, 1991, p. 30)   

HISTORIANDO...
                                                               Em 1960 é lançado em Paris, o Manifesto da Internacional Situacionista, organizado por um grupo de jovens franceses dotados de uma autodenominada "ideologia marginal", onde se incluíam poetas, escritores, arquitetos, e artistas "marginalizados". Buscavam uma alternativa para teorizar as "práticas espontâneas" desenvolvidas no seio da subcultura boêmia da Rive Gauche parisiense. Guy Debord, autor do livro A Sociedade do Espetáculo, foi o fundador e líder ideológico do Movimento Internacional Situacionista, e assumia nitidamente uma postura "contra-cultural" numa época por ele denominada de "sociedade do espetáculo". 
“O espetáculo não é uma coleção de imagens, mas uma relação social entre pessoas, intermediada por imagens… O espetáculo em geral, como uma concreta inversão da vida, é um movimento autônomo do não vivente… O mentiroso mentiu pra si mesmo” – Guy Debord
"Nós vivemos em uma sociedade do espetáculo, isto é, toda a nossa vida é envolta por uma imensa acumulação de espetáculos. As coisas que eram vivenciadas diretamente agora são vivenciadas através de um intermediário. A partir do momento que uma experiência é tirada do mundo real ela se torna um produto comercial. Como um produto comercial o "espetacular" é desenvolvido em detrimento do real. Ele se torna um substituto da experiência." -  Spectacular Times de Larry Law.
                                               Raul Vaneigem, escritor e filósofo belga, autor do livro A Arte de Viver para as Novas Gerações, foi também um dos principais articuladores do movimento, propondo questionamentos sobre o papel da produção cultural na sociedade consumista do pós-guerra e destinando fortes críticas para a "pasteurização da vida cotidiana", em meio a qual os usuários encontravam-se "embutidos nas fórmulas de uso".
                                               Os situacionistas tinham como tese central a construção de situações (performances) para se chegar à transformação revolucionária da vida cotidiana. Propunham uma revolução cultural contra a banalidade do cotidiano, contra a alienação e a passividade da sociedade. De 61 em diante passaram a se dedicar a questões exclusivamente políticas, ideológicas revolucionárias, anti-capitalistas, anti-alienantes e anti-espetaculares. 
                                               Opunham-se ao chamado ‘funcionalismo’ do modernismo, excesso de racionalismo e utilitarismo nos projetos das edificações e no planejamento urbano e estavam convictos de que a própria sociedade poderia e deveria mudar a arquitetura e o urbanismo. Seria a forma situacionista de viver e experimentar a cidade. Quando os habitantes passassem de simples espectadores a construtores, transformadores e ‘vivenciadores’ de seus próprios espaços, isto impedira qualquer tipo de espetacularização urbana. Esta visão inspirou o surgimento do Urbanismo Unitário (UU) que propunha a arte e a técnica como meio para a construção de um ambiente integral, em ligação dinâmica com as experiências de comportamento. Para este ideal urbano-experimental, uma construção estática do espaço seria incompatível com as contínuas mudanças de comportamento de uma sociedade.
                                               Para se viver esta forma de urbanismo são criadas algumas ‘ferramentas’: a Psicogeografia, como um método e a Deriva, como uma prática. A Psicogeografia consiste no estudo dos efeitos do meio sobre o comportamento afetivo dos indivíduos. A Teoria da Deriva é uma performance comportamental experimental, significa flanar, do verbo francês flanêr, vagar por aí, passar por ambiências variadas, interferindo concreta ou abstratamente (através da observação e da emoção) sobre elas. Esta prática da Deriva propunha uma experiência artística-sensorial com bases conceituais muito particulares, com caráter lúdico e experimental. As atividades lúdicas conduziriam, consequentemente, a uma inevitável dinamização do espaço. O principal habitante do espaço dinâmico seria o homo ludens, definição situacionista para o homem que "atua sobre o seu entorno, interrompe, muda, intensifica seu micro contexto imediato". Mais do que um espaço de trabalho, o espaço dinâmico era considerado objeto de jogo, e isso impulsionava a demanda pela mobilidade e variabilidade de suas ambiências e estruturas. Contrários aos rápidos deslocamentos, tornava-se imperativo intensificar o uso do espaço, potencializando o jogo, a aventura e a exploração.

                                               A primeira Internacional Situacionista foi desfeita no inicio dos anos 70, mas suas idéias situacionistas continuam ecoando ainda hoje, principalmente pelos amantes da liberdade.

LEIA MAIS....
'LA POCHA NOSTRA' CONHECENDO UMA EXPERIENCIA DE CRIAÇÃO NA PERFORMANCE
referências


ARTESUNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR LITORAL . HISTÓRIA E APRECIAÇÃO DO TEATRO 

Nenhum comentário:

Postar um comentário