SINTONIA . CONHECIMENTO DIRETO . CELEBRAÇÃO fortalecimento interno . consciência . integração . agni@agni-ec.com.br


quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

COMO APROVEITAR AO MÁXIMO A SUA VIDA?

O objetivo da vida é o amor incondicional, é encontrar a plenitude se integrando a Deus. A cada dia temos a chance de amar a Deus acima de todas as coisas, ou ir contra, amando as coisas do mundo e nos revoltando com as situações do cotidiano.
O amor incondicional é ainda incompreensível para o ser humanizado, nosso amor é apegado. Mas ele pode ser conquistado pela busca da paz interior, pela mudança de foco e compreensão da vida, pela tolerância às ações humanas, pelo sentimento de igualdade _ dando ao outro o direito de ser quem é e se expressar de acordo com sua verdade. Enfim, o amor incondicional pode se manifestar através da felicidade diária.
Então, que cada um venha aproveitando ao máximo a sua vida!
Na visão materialista, aproveitar a vida é se divertir, é ter dinheiro, amores, prazeres...
E para aquele que se considera espiritualista, como seria aproveitar a vida ao máximo?
Aproveitar a vida _ dentro da ótica do espírito _ é aproveitar a oportunidade de sua encarnação, para fazer o único trabalho que precisa ser feito: aproximar-se de Deus.
E como pode se dar este aproximar-se de Deus?
Trabalhando para abandonarmos a nossa humanidade, negando a nossa materialidade, e assim, como consequência, sem caminharmos diretamente para Deus, chegarmos em Deus...
Didaticamente podemos nos lembrar das 4 âncoras que nos prendem à materialidade.  Colocando consciência a cada aprisionamento que percebermos, podemos modificá-lo. E podemos viver a prova que a vida nos apresentar, em harmonia, em paz e serenidade consigo e com o mundo.
Libertarmo-nos das âncoras. E permanecendo acima do ‘eu gosto’, do ‘eu não gosto’, do ‘eu quero’, do ‘eu não quero’, sermos felizes mesmo assim.
É possível isto?
Depende de nós optarmos por...
Depende de nós termos a ousadia de dizer sim. E trabalharmos 24h por dia com a consciência da responsabilidade deste trabalho...
Depende de nós compreendermos que para se chegar à perfeição, o espírito tem que passar pela vida encarnada. E a vida encarnada é vicissitude, é composta de altos e baixos, de alegrias e tristezas, de sofrimento e de felicidade. Esta é a natureza natural da vida. Então, a expiação do espirito para chegar à perfeição é passar pelas vicissitudes da vida.
Pretender que a vida seja diferente do que a sua natureza natural, ou seja, pretender que nela só estejam presentes as coisas consideradas ‘boas’ (saúde, riqueza, felicidade, amor, sucesso, vitória, reconhecimento) é pelo menos, atentar contra a  própria natureza da vida.
Então há que se entender a vida como ela é: vicissitude trazida por Deus para propiciar ao espirito a chegada à perfeição, para propiciar a oportunidade de cada um de nós provarmos nosso amor a Deus, passando pela vicissitude, em paz e harmonia, sem ranger de dentes...
Entendendo que Deus é a causa primária de todas as coisas que nos acontecem e portanto, é a causa de toda vicissitude....
E mais, tendo a consciência de que Ele é a  inteligência suprema, a justiça perfeita e o amor sublime. Inteligência Suprema que é capaz de analisar perfeitamente tudo o que se passa no universo e o resultado dessa análise é a Verdade Pura, Justiça Perfeita que dá a cada um segundo suas obras e Amor Sublime que permite a cada um sempre uma nova oportunidade de elevação.
É se entregar na confiança.... E olhar pelo ‘olho do espírito’! Todos estão convidados.
E o próprio trabalho, continuado, consciente, vai, pela chamada ‘teoria da acumulação’, conforme falamos em nossa reunião, vai enchendo a eclusa do canal, permitindo que o navio saia ‘naturalmente’ do outro lado, quando o nível da água se igualar...quando o ser estiver saturado de determinado atributo pré- requisitado, a passagem para outro nível de consciência é natural e automática.
Portanto, é só fazer o trabalho pequenininho, no dia a dia, sem pretensão. E nem intenção.
Salve!


                                        Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário