SINTONIA . CONHECIMENTO DIRETO . CELEBRAÇÃO fortalecimento interno . consciência . integração . agni@agni-ec.com.br


sexta-feira, 2 de junho de 2017

CARTAS HELENA ROERICH (1929-1938) VOL I TOMO 1
CARTAS PARA A AMÉRICA







2.  1 de março de 1929

        A grande época que se aproxima está intimamente ligada à regeneração da mulher. Como nos melhores dias da humanidade, o tempo futuro novamente oferecerá à mulher seu lugar certo ao lado de seu eterno companheiro viajante e cooperador, o homem. Vocês devem lembrar que a grandeza do Cosmos é construída pelos dois princípios. A base da existência jaz na igualdade dos dois princípios. Será possível, pois, menosprezar um deles?!
       Todas as infelicidades atuais e futuras, e os cataclismas cósmicos, em grande parte resultam da sujeição e do aviltamento da mulher. O terrível declínio da moralidade, as doenças e a degeneração de algumas nações são também os resultados da escravizante dependência da mulher. A mulher é privada do maior privilégio humano - a participação completa no pensamento criativo e no trabalho construtivo. Ela é privada não só de direitos iguais, mas, em muitos países, de educação igual à do homem. Não se permite a ela expressar suas habilidades, não se permite a ela participar na construção da vida social e governamental, da qual, pela Lei e Direito Cósmicos ela é membro pleno. Porém, uma mulher escrava só pode legar escravos ao mundo. O provérbio «grande mãe, grande filho» tem base cósmica, científica. Como os filhos, em sua maioria tomam emprestado de suas mães, e as filhas, ao contrário, de pais, grande é a justiça cósmica! O homem, humilhando a mulher, humilha-se a si mesmo! Nisto encontra-se a explicação da pobreza atual do gênio masculino.
       Poderiam os terrores e crimes de hoje serem possíveis se ambos os Princípios se tivessem mantido equilibrados? Nas mãos da mulher está a salvação da humanidade e do nosso planeta. A mulher deve conscientizar-se do seu significado, a grande missão da Mãe do Mundo; ela deveria preparar-se para assumir a responsabilidade do destino da humanidade. A mãe, a que dá à luz, tem todo direito de dirigir o destino de seus filhos. A voz da mulher, da mãe, deveria ser ouvida entre os líderes da humanidade. A mãe sugere os primeiros pensamentos conscientes de seu filho. Ela dá direção e qualidade a todas as suas aspirações e capacidades. Mas a mãe privada da cultura do pensamento, desta coroa da existência humana, só pode contribuir para o desenvolvimento de expressões inferiores dos desejos humanos.
       A mulher que aspira ao conhecimento e à beleza em plena consciência de sua responsabilidade, elevará muito seu nível de vida. Não haverá lugar para vícios repulsivos que levam à degeneração e à destruição de povos inteiros.
       Porém, em sua aspiração à educação e ao conhecimento, a mulher deve lembrar que todos os sistemas educacionais são somente meios para o desenvolvimento de um conhecimento e cultura superiores. A verdadeira cultura do pensamento desenvolve-se pela cultura do espírito e do coração. Somente tal combinação provê aquela grande síntese sem a qual é impossível conscientizar a grandeza real, a diversidade e a complexidade da vida humana em seu infinito aperfeiçoamento cósmico. Portanto, enquanto aspira ao conhecimento, que a mulher se lembre da Fonte de Luz e dos Dirigentes do Espírito - aquelas Mentes grandiosas, que, na verdade, criaram a consciência da humanidade. Ao aproximar-se desta Fonte, na união com este dirigente Principio de Síntese, a humanidade encontrará o caminho para a verdadeira evolução.
       E a mulher é quem deveria conhecer e proclamar este Princípio Dirigente porque, desde o começo, a ela foi entregue o fio de ligação dos dois mundos, o visível e o invisível. À mulher foi dado manifestar o poder da energia sagrada da vida. A era vindoura trará ao mundo o conhecimento desta grande energia onipresente, que manifesta suas melhores qualidades em todas as criações imortais do gênio humano.
       A mulher ocidental já despertou para a conscientização de sua forças. Suas contribuições culturais já são evidentes. Todavia, a maioria das mulheres ocidentais - como todos os principiantes - começam imitando; entretanto, não é na imitação, mas sua individualidade e irrepetível expressão que se encontram a verdadeira beleza e a harmonia. Gostaríamos de ver o homem perder a beleza da masculinidade? Também um homem que possua o sentido da beleza, certamente não gostaria de ver uma mulher imitando seus hábitos e competindo com seus vícios. A imitação sempre começa com o mais fácil. Porém, esperamos que este primeiro passo seja logo ultrapassado e que a mulher, ao aprofundar seu conhecimento da Grande Mâe-Natureza, encontre a verdadeira grandeza da sua expressão criativa.
       O Cosmos manifesta a unidade da lei, mas não há repetição em sua multiformidade. Então, por que somente a humanidade se esforça para a uniformidade em tudo e, ao mesmo tempo, viola a unidade fundamental da lei? A uniformidade de aparência, a uniformidade de vida e, especialmente a uniformidade de pensamento são acalentadas pelo homem. Esquecem-se de que a uniformidade de expressão leva à estagnação e à morte. A vida e seu poder estão sempre mudando de forma. É necessário aplicar este princípio vivificante em todas as expressões de nossa vida.
       Acumulemos as mais belas e heróicas imagens de todos os tempos e povos e, com aspiração criativa para o aperfeiçoamento, transformemos suas qualidades e conquistas de acordo com o espírito de nossa época. Só tal imitação dará a base correia para o progresso posterior.
       Terminarei minhas palavras à mulher com uma página do Ensinamento da Vida:
       «Quando os povos começaram a desunião, o resultado foi a autodestruição. Só o retorno ao equilíbrio opor-se-á à auto-destruição. A humanidade não aplica os princípios de criatividade na proporção certa e, assim, viola as bases da Existência. Quando, pela Lei do Ímã Cósmico, as formas inferiores se subordinam às superiores, isto só diz respeito às energias que, por sua essência, deveriam ser transmutadas. Mas quando os princípios são chamados a criar e dar vida, é impossível remover um dos Princípios sem provocar a auto-destruição. Portanto, a humanidade só iniciará seu desenvolvimento conscientemente quando a afirmação na vida de ambos os Princípios for compreendida. Todos os fundamentos que não incluírem a compreensão destes dois Princípios só podem aumentar o desequilíbrio. A humanidade deve compreender a lei do Ímã Cósmico. Pode-se fazer muito pela evolução com a compreensão da grandeza dos dois Princípios como a base da Existência».
       Mesmo esta verdade simples não encontra seu lugar na consciência do homem! Nossos cientistas - biólogos, químicos, físicos - deveriam conhecer a verdade sobre o Princípio dual, ou polaridade, mas eles estão silenciosos. E esta verdade, em sua aplicação mais sagrada e vital, é pisoteada pelo grande egoísmo, e o direito do forte é afirmado em tudo. A dificuldade é que a mente do homem está desligada de sua fonte - a Mente Cósmica. Sendo parte do Cosmos, o homem ainda não vê sua solidariedade, sua unidade com o Cosmos. E suas observações das manifestações da natureza não lhe sugerem nenhuma analogia. Todavia, só por meio destas observações e comparações com a natureza humana, deve-se procurar as chaves para todos os mistérios da existência e, portanto, a solução para muitos problemas da vida. As pessoas, como os papagaios, gostam de repetir a velha fórmula favorita: «O Macrocosmos é o microcosmos»! Muito se diz e se repete sem a devida atenção ao seu significado! Os dogmas impostos, as leis humanas e o padrão de vida, desabituaram o homem do progresso e, com raras exceções, tomaram-no um autômato, que repete as fórmulas já aceitas e decoradas. Todos pregam várias liberdades, porém as mais opostas escolas de pensamento temem um só e único bicho - a liberdade de pensamento!
       Portanto, a mulher deve defender não só seus próprios direitos, mas o direito à liberdade de pensamento para toda a humanidade! Através do desenvolvimento da capacidade de pensar, nossas possibilidades crescerão. Pensemos de modo mais amplo e com pensamentos mais luminosos. Foi dito:
       «O reino não é feito nem pelas realezas, nem pelos súditos, mas é criado por idéias cósmicas. Criemos nossas próprias cidades, nossos países, nossos planetas! Porém, que tal pensamento seja criado pelo coração, pó que só o pensamento nascido do coração vive. O coração é o maior Ímã Cósmico. Todas as energias cósmicas são atraídas para o coração, o qual as assimila. O coração expressa na vida todas as aspirações. O fogo do espaço é atraído ao coração e todo o processo cósmico baseia-se neste princípio. Portanto, o Cosmos pode viver na atração do coração. Só as energias que se baseiam na atração do coração podem viver. Assim, infinitamente, a corrente de vida é forjada pelo coração».
       Você já tentou ouvir seu coração? Ele bate ritmado com o Coração Perfeito que abraça todos vocês?
       Assim, terminarei com palavras sobre o coração. Que a mulher se afirme neste grande símbolo de transformação de toda a vida. Que ela aspire à transformação da vida espiritual da humanidade.
       A mãe, a que dá a vida, a protetora da vida - que ela se torne também a Mãe, a Condutora, A que tudo dá e A que tudo recebe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário