SINTONIA . CONHECIMENTO DIRETO . CELEBRAÇÃO fortalecimento interno . consciência . integração . agni@agni-ec.com.br


quinta-feira, 27 de outubro de 2016


UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR LITORAL
LICENCIATURA EM ARTES . 2016
PROJETO DE APRENDIZAGEM
ANNAMARIA H. DE S. PIRES
Mediadora GISELE KLIEMANN
MATINHOS, outubro 2016
                                                                            
CORPO E NOOSFERA
Um estudo do invisível para o visível
No corpo que dança

      PROBLEMATIZAÇÃO
A repetição mecânica dos modelos de ser, de pensar, de agir, já cristalizados pela humanidade, definindo relações de poder e dominação que se espalham para as questões sociais, políticas e econômicas, e a pouca ou nenhuma ênfase dada para a construção de uma capacidade verdadeira de percepção de si mesmo, de auto-observação, de compreensão, de análise, de síntese, faz com que o poder de crítica da humanidade para o reconhecimento e a aceitação dos dogmas e ideologias, seja muito rudimentar em sua grande maioria, tornando esta humanidade uma ‘massa ignorante de sua história’, de suas circunstâncias e de si mesmo, e facilmente manipulável no que tange aos objetivos do poder dominador. 
A grande angústia da humanidade, que sem dúvida conduz aos maiores problemas existenciais da atualidade, é este distanciamento cada vez maior e mais crônico de si mesmo. O sujeito é estimulado e moldado desde que nasce, a se ocupar de coisas e situações fora de si mesmo. E com isto vai, gradativamente, construindo uma vida voltada para questões e preocupações externas. Esta angústia da humanidade, que vem gerando doenças e desajustes de toda ordem, pode ser decorrente da pressão interna pelo criar, pelo construir ‘de verdade’, através da manifestação da potência interna do ser.
É preciso investigar para entender melhor este processo. Através do paradigma da complexidade (incerteza, indeterminação, aleatoriedade, contradições), encontrar metapontos de vista que, pela atenção, auto-observação, experimentação, contribuam para o entendimento da auto-criação da realidade a partir de suas múltiplas interações.
E começar pelo que está mais perto, a partir do próprio corpo.
Somos corpo do mundo, pois a ele pertencemos. E somos corpo no mundo, pois nele agimos. De que forma os movimentos do mundo se enredam aos nossos movimentos no mundo?
OBJETIVO GERAL
Fazer um estudo a respeito do corpo como informação _ inserido a nível planetário numa ‘tecnosfera’ e a nível cósmico numa ‘noosfera’ _ do ‘corpo que dança’ como canal de expressão e auto-percepção nestes contextos e do ‘ato-reflexivo’ como síntese para a meta-morfose a ser vivenciada no dia a dia, como processo de evolução consciencial (ao ponto ômega).

  OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Neste módulo do PA_ ‘o corpo que dança’, buscar entender nosso processo como seres moventes implicados em um mundo de constantes movimentações. Estudar a dança como expressão da originalidade do ser, se contrapondo de forma natural ao excesso de racionalismo que normatiza; analisar como se dá a abertura de um canal de comunicação interno-externo que traz à consciência especificidades a serem expressas que estão desconhecidos do sujeito, por não estarem conscientizadas e por isto mesmo, estão inativas, inoperantes, asfixiadas, imobilizadas; refletir sobre a criação de várias vias, intersecções, comunicações, ressonâncias, sinapses, que são descobertas e aprendidas através do corpo e podem posteriormente circular através da linguagem e da ação neste contínuo processo do trans-formar. No ‘corpo que dança’ _ dança acima de tudo por si e para si, em movimentos criados instantaneamente a partir dos fluxos conectados _ procurar identificar portanto, a condição do movimento como percepção, como comunicação, como informação, sua potência como linguagem e sua dançabilidade como dança. No processo de entender a dança como o “pensamento do corpo”, (KATZ, 2011), é preciso ‘olhos que vêm do invisível para o visível’.
Compreender em que medida a ARTE é o meio de tornar visível este jogo de forças invisíveis e forma de encontro ao mencionado Ponto Ômega.
Nos módulos posteriores do PA serão desenvolvidos estudos sequenciais para expansão do tema, focando o ‘corpo que fala’ (linguagem, semiótica) e o ‘corpo que vibra’ (som, ressonância, campos mórficos, física quântica).

 JUSTIFICATIVA INICIAL
Este estudo se justifica incialmente, pela necessidade do sujeito reconhecer e conscientizar de forma significativa, sua responsabilidade na conformação de si, do próprio corpo, na própria expressão mais afinada na vida dos recursos que traz, a partir do entendimento da própria identidade dentro do processo de evolução da humanidade (onde está _tecnosfera_ e para onde caminha _noosfera), numa teorização que, segundo MORIN (2013), se esboça pela possibilidade de uma ciência do devir. (sistemas complexos abertos ao acontecimento e experimentação). Justifica-se ainda, pela necessidade do sujeito reconhecer a seleção das ‘coleções de informações’ em que deseja se ‘colar’, pois, da qualidade e variedade dessas informações dependeria, em certo grau, sua própria constituição, influenciada também pelos determinismos biológicos e forças sociais. “Se as mudanças biológicas são da ordem do determinado e ocorrem de forma extremamente lenta, nossas ações de percepção da informação, ao contrário, são rápidas, plásticas e transformadoras do corpo e do sujeito” (KATZ, 2011)


 PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO
Numa visão evolucionista, adentrar num estudo inicial sobre:
Tecnosfera e Noosfera , que trazem a situação do tempo e lugar; de onde se fala, de que época, qual é a ambiência e consciência vivida pela humanidade. A ‘tecnosfera’ marca o momento histórico por que passa a humanidade, numa fase de transição paradigmática e de revolução epistemológica; tecnologia interligando e colonizando mentes e corações, cibercultura, midiosfera, cultura de massa e desconstrução da identidade; subjetividades despedaçadas, erupção da loucura. A ‘noosfera’, conduziria a humanidade ao Ponto Ômega (superconsciência), que, numa dinâmica atmosfera presente mas invisível, age sobre todos os seres humanos, e como ‘memes’ replica pensamentos, sentimentos, idéias, criações mentais, forjando um campo de força que a todos enreda, impacta e sugestiona. Força sinérgica maior do que a soma das partes.
O corpo como suporte ativo de informações em pleno fluxo; expressão da potência interna e como acesso a ela; como veiculo para o processo do criar, de ser no mundo; parte que interage com o mundo. O corpo como informação sempre em ação, percebendo, processando, assimilando e criando novas informações em trocas inesgotáveis com o meio do qual faz parte (tecnosfera, noosfera). O ato cognitivo é mediado pelo sentir, portanto uma cognição sensível. O corpo fala e participa ativamente da vida, sendo percebido e se auto-percebendo.
O corpo que dança, como meio de experimentação de um corpo-paradoxal que se abre a uma consciência-corpo. Vivência e conhecimento interno para que a informação-corpo emerja e possa ser conscientizada através do ato-reflexivo que busca respostas onde cada um, dentro de sua originalidade e singularidade, pode conceder a si próprio. A dança como um canal, uma ponte através da qual se manifesta o invisível, comunicando-se, assim, com o manifestado, com o homem.
O ato-reflexivo(1),que conscientizaria e auto-ensinaria a arte do diálogo sensível com a tecnosfera e a noosfera, evidenciando formas de navegação neste oceano de impactos e estímulos, de maneira a minimizar a condição de sujeição passiva em suas interações. A partir da informação do corpo revelada pela dança, a conscientização para uma meta-morfose, uma trans-formação evolutiva. Num marco de ruptura e autonomia deixaria surgir um percurso de inovação que compreenderia com mais abertura a própria realidade e permitiria o afirmar-se na diferença, na originalidade, na singularidade de cada um. A Arte como caminho ao Ponto Ômega da consciência unificada.
(1)Emergência de um paradigma complexo: consciência do corpo-sensível-informativo; dança-movimento como agente de trazer à tona; ato-reflexivo como reflexo de um novo estado consciencial na ação cotidiana; ciclo evolucionista que se repete em ação circular...

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
KATZ, Helena . Do que fala o corpo hoje? Teologia e Comunicação , Corpo palavra e interfaces cibernéticas, Paulinas, São Paulo, SP, 2011
MORIN, Edgar .O Método IV As Idéias: a sua natureza, vida, habitat e organização, Publicações Europa-America, Portugal, 1991.
QUEIROZ, Lela . Corpo,Mente, Percepção . Movimento em BMC e Dança . AnnaBlume Editora , São Paulo, SP, 2009.
ZILLES Urbano .Teilhard de Chardin e S. Boaventura: itinerário do Cosmo ao Ômega Petrópolis : Vozes, maio/1968.

Estudo completo clique aqui

Nenhum comentário:

Postar um comentário